Ceftriaxona – Bula, Como Usar, Efeitos Colaterais, Contraindicação, Preço

As infecções precisam ser tratadas de forma eficiente a fim de evitar maiores problemas e riscos à saúde. É para isso que existe a ceftriaxona, que atua em diversos germes sensíveis à sua ação. Então, para saber mais sobre esse medicamento, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre ele.

Para que serve a Ceftriaxona

A Ceftriaxona é um medicamento que serve para tratar infecções causadas por germes que são sensíveis a essa substância. Tais como: sepse; infecções intra-abdominais; infecções ósseas, dos tecidos moles, articulares, da pele e feridas; infecções em pacientes imunodeficientes; infecções do trato urinário e do trato renal; infecções do trato respiratório, especialmente infecções otorrinolaringológicas e pneumonia; infecções; infecções genitais, incluindo a gonorreia; e profilaxia de infecções pré-operatórias.

Como funciona a Ceftriaxona

A Ceftriaxona pertence á classe dos medicamentos antibióticos. A sua substância ativa, que é a ceftriaxona, tem a capacidade de eliminar uma grande variedade de bactérias e microrganismos responsáveis por diferentes tipos de infecção.

Como usar a Ceftriaxona (posologia)

Em adultos e crianças com mais de 12 anos de idade, a dose recomendada é de 1 a 2 g de ceftriaxona a cada 24 horas em dose única. Nos casos graves e em infecções ocasionadas por patógenos levemente sensíveis, a dose pode ser de até 4 g por dia, também em dose única.


Em crianças recém-nascidas, com menos de 14 dias, a dose recomendada é de 20 a 50 mg/kg, não devendo ultrapassar os 50 mg/kg.

Em recém-nascidos, lactentes e crianças, entre 15 dias e 12 anos de idade, a dose recomendada é de 20 a 80 mg/kg. Em crianças com 50 kg ou mais, recomenda-se a mesma posologia de adultos.

Em idosos a posologia recomenda a mesma dosagem para adultos, desde que não apresente insuficiência hepática e renal grave.

A duração do tratamento irá durar de acordo com a doença e sua evolução. É recomendado que o tratamento dure, no mínimo, 48 a 72 horas depois do desaparecimento da febre ou da erradicação da bactéria.

Administração intravenosa

Para usar esse medicamento, que é um preparo em pó injetável, basta dissolver 1g em 10 mL de água para injeção e administrar diretamente na veia, no decorrer de 2 a 4 minutos.

Infusão contínua

A infusão deve ser administrada no decorrer de 30 minutos. Na infusão intravenosa deve-se dissolver 2g de ceftriaxona em 40 mL dessas seguintes soluções, que não contenham cálcio, tais como: cloreto de sódio 0,9%, cloreto de sódio 0,45% + dextrose 2,5%, dextrose 5%, dextrose 10%, dextram 6% em dextrose 5%, infusão de amino-hidroxi-etil 6 – 10%, água estéril para injeção.

Composição

Ceftriaxona Bula

Cada frasco-ampola de Ceftriaxona sódica injeção intravenosa 1 g contém:

ceftriaxona sódica ……………. 1,193g*
*Equivalente a 1 g de ceftriaxona.
Principio ativo: 1 g ceftriaxona sob a forma de sal dissódico.
Ceftriaxona sódica contém aproximadamente 83 mg (3,6 mEq) de sódio por grama de ceftriaxona.
Diluente: cada ampola de diluente contém 10 mL de água para injeção.

Contraindicação

Esse medicamento é contraindicado para pacientes que apresentem hipersensibilidade a ceftriaxona ou a qualquer um dos componente da sua fórmula, bem como a outros cefalosporínicos.

Nos pacientes com histórico de hipersensibilide à penicilina e demais agentes betalactâmicos, pode haver uma maior disponibilidade a reações de hipersensibilidade à ceftriaxona.

Devem ser excluídas as contraindicações à lidocaína na administração de injeções intramusculares de ceftriaxona cuja solução é a lidocaína.

Paciente, consulte sempre as contraindicações que constam na bula da lidocaína. Lembrando que ambas nunca devem ser administradas por via intravenosa.

Em recém nascidos e prematuros que tenham idade pós-menstrual de até 41 semanas, a ceftriaxona é contraindicada. Além disso, esse medicamento não deve ser utilizado no tratamento de crianças com hiperbilirrubinemia.

Precauções

Podem ocorrer reações de hipersensibilidade séria, incluindo casos fatais, decorrentes do uso da ceftriaxona sódica, bem como com outros agentes antibacterianos betalactâmicos.

Caso ocorram reações graves de hipersensibilidade o tratamento deve ser imediatamente interrompido e deve-se tomar as devidas medidas de emergência.

Antes de começar o tratamento com esse medicamento, é necessário averiguar se o paciente possui algum histórico de hipersensibilidade a essa substância, bem como a agentes betalactâmicos.

Foi observada anemia hemolítica, incluindo casos fatais, no tratamento com antibacterianos cefalosporinas, como a ceftriaxona sódica.

Também existem relatos de CDAC (diarreia associada ao Clostridium difficile) no uso de agentes antibacterianos, como a ceftriaxona sódica, visto que altera a flora intestinal.

Nos casos de suspeita do CDAD ou no diagnóstico da mesma, é necessária a administração de um antibiótico específico para o seu tratamento.

As superinfecções com microrganismos sensíveis podem acontecer, tal como no uso de outros antibacterianos.

Houve relatos de casos de pancreatite no tratamento com ceftriaxona sódica, sendo que a maioria dos pacientes já apresentava pré-disposicção para a estase / aglutinação biliar.

Gravidez e lactação

Esse medicamento é categoria B no risco à gravidez e não deve ser utilizada por mulheres grávidas a menos que haja recomendação de um médico ou cirurgião-dentista.

Sempre informe ao médico caso ocorra uma gravidez durante o tratamento ou se iniciar a lactação.

Embora os estudos não demonstrem alterações fetais ou mutações genéticas, e preciso que haja cautela na administração desse medicamento durante o primeiro trimestre de gestação, usando somente se for extremamente necessário.

Essa substância pode atravessar a barreira da placenta e sua segurança na gravidez humana ainda não foi estabelecida. No entanto, nos estudos em animais, não houve evidências de feto ou embriotoxicidade.

Visto que é excretada em baixas quantidades no leite materno é preciso cautela na administração desse medicamento em mulheres grávidas.

A segurança desse medicamento em lactentes, recém-nascidos e crianças é estabelecido com base nas doses descritas na posologia, mas estudos apontam que pode haver um aumento dos níveis séricos da bilirrubina, não sendo indicado para recém nascidos prematuros sob o risco de desenvolvimento de encefalopatia.

Podem ocorrer efeitos indesejados, tal como tontura, prejudicando a capacidade de operar máquinas e dirigir veículos.

Esse medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente, ao abrigo de luz e umidade e em sua embalagem originas até o momento do uso, dentro do seu cartucho.

O número do lote, prazo de validade e a data de fabricação podem ser encontradas na embalagem do produto e não deve ser nunca utilizado caso esteja com o prazo de validade vencido.

A solução deve ser utilizada imediatamente depois de ser preparada, mas pode se manter estável por química e fisicamente, por até 6 horas depois de preparada, se for mantida em temperatura ambiente, ou 24 horas se ficar refrigerada entre 2º e 8ºC.

Efeitos colaterais da Ceftriaxona

As reações mais frequentes decorrentes do uso desse medicamento são leucopenia, eosinofilia, trombocitopenia, erupção cutânea, diarreia e aumento das enzimas hepáticas, no entanto, ainda podem ocorrer as seguintes reações indesejáveis, de acordo com a frequência:

Reações comuns: leucopenia, eosinofilia, trombocitopenia, erupção cutânea, diarreia, fezes amolecidas e aumento das enzimas hepáticas

Reações incomuns: infecção do trato genital por fungos, granulocitopenia, coagulopatia, anemia, dor de cabeça, tontura, vômito, prurido, flebite, dor no locar de aplicação e aumento da creatinina sérica

Reações raras: broncoespasmos, colite pseudomembranosa, urticária, glicosúria, hematúria e calafrios

Nos estudos de pós comercialização foram reportadas reações adversas com frequência desconhecida, sema  possiblidade de estabelecer uma relação causal, que são: pancreatite, glossite, estomatite, agranulocitos, PEGA (pustulose exantemática generalizada aguda), casos isolados e graves como eritema multiforme, síndrome de Stevens Johnson ou síndrome de Lyell / necrólise epidérmica tóxica, convulsão, superinfecção, litíase biliar, icterícia, oligúria, kernicterus e
reações anafiláticas e anafilactoides.
No caso de aparecimento de qualquer reação indesejável, o tratamento deve ser interrompido e o médico deve ser imediatamente comunicado.

Notifique também à NOTIVISA (Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária) através do seu site, ou à vigilância sanitária Municipal ou Estadual.

Ceftriaxona

Superdosagem

Caso ocorra uma superdosagem, não se deve recorrer à diminuição da concentração da droga através de hemodiálise ou diálise peritoneal. Como não existe um antidoto específico, o tratamento deve ser sintomático.

Em caso de intoxicação e para mais informações ligue para 0800 722 6001.

Interação da Ceftriaxona com outros remédios

Pode haver aumento da toxicidade renal dos aminoglicosídeos, quando administrados concomitantemente com
cefalosporinas.

Foram observados efeitos antagônicos na administração de cloranfenicol e ceftriaxona.

Ceftriaxona Preço

Para comprar esse medicamento é necessária a apresentação de receita médica branca de 2 vias (restrito a hospitais). O seu preço pode variar de acordo com a região na qual você se encontra e o local escolhido para a compra, bem como se você vai comprar o produto referência ou o seu genérico, visto que a segunda opção costuma custar menos.

No entanto, na internet, a caixa com 1 frasco-ampola + diluente de

500mg, injetável intramuscular, caixa com 1 frasco-ampola + diluente de ceftriaxona 500 mg pode ser encontrada por valores entre R$ 9,5 e R$ 11 reais. Já a embalagem com 1 frasco-ampola + diluente de ceftriaxona 1 g pode ser encontrada por, em média, R$ 15 reais.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre a ceftriaxona sódica, como atua e as suas indicações.