Flancox – Bula, Para que serve, Posologia, Efeitos Colaterais, Preço

Dores e inflamações são dois grandes sintomas que a população sofre sempre. Há diversos motivos que podem ocasionar elas, então não é de ser espantar que é algo bem comum em nosso cotidiano. Flancox, por sua vez, é um medicamento que visa combater esses dois sintomas. Leia mais abaixo sobre esse poderoso medicamento.

Para que serve Flancox

O Flancox é um medicamento que possui como princípio ativo uma substância chamada etodolaco, sendo que ela é um anti-inflamatório não esteroidal da classe dos derivados indólicos. O Flancox pode servir para diversas ocasiões, como no controle da dor (principalmente quando a dor estiver associada com alguma inflamação).

Casos como esses são comuns, por exemplo, em pós-cirurgias odontológica e obstétrica, além de alguns tipos de traumas. Sem contar que Flancox ajuda no combate dar dor de condições como artrite gotosa aguda, enxaqueca e dismenorreia.

Apesar disso, o Flancox é indicado especialmente no tratamento da artrite reumatoide (aguda ou crônica) e no tratamento da osteoartrite.


Como funciona Flancox ( principio ativo )

Como dito, o princípio ativo de Flancox é o etodolaco, um medicamento que age como anti-inflamatório não-esteroide nas partes do corpo onde há dor, principalmente em caso de inflamações.

Flancox serve para artrite reumatoide

Tratando a dor e inflamações localizadas, Flancox é útil em diversas situações. Em geral, o tempo médio calculado para Flancox começar a fazer seu efeito analgésico e anti-inflamatório é de 30 minutos após o seu uso. Dependendo do grau da dor e da inflamação, o tempo pode variar um pouco mais, sendo que em casos mais severos pode demorar algumas dezenas de minutos a mais para o medicamento agir totalmente e o paciente se sentir mais aliviado.

Como usar o Flancox

É sempre indicado que em tratamentos que usem anti-inflamatórios não-esteroides a dose utilizada sempre seja mais baixa possível e que o intervalo entre as doses seja sempre o maior possível.

Todos os comprimidos de Flancox precisam ser administrados sempre acompanhados de um copo cheio de água e, de preferência, sempre após as refeições. A ingestão de água serve para que o comprimido fique preso no esôfago.

Dose recomendada:

A dose recomendada de Flancox por dia para casos de dor aguda é de até 1.000 mg, sendo que essa dosagem deve administrada em doses que variam entre 200 mg e 400 mg a cada 6 e 8 horas. Nesses casos de dor e após avaliações sobre os potenciais riscos, a dose máxima pode aumentar para até 1.200 mg por dia.

Dose para casos de reumatoide e osteoartrose:

Nos casos de artrite reumatoide e osteoartrose, a dose inicial de Flancox recomendada varia entre 800 mg a 1.200 mg, sendo que deve ser administrada entre duas a quatro tomadas diárias. Deste jeito, a distribuição da dose diária (800 mg a 1.200 mg) pode ser assim: 3 ou 4 comprimidos de 300 mg, tomados em diferentes horários do dia ou; 2 ou 3 comprimidos de 400 mg, tomados em diferentes horários do dia. Após isso, como geralmente há uso prolongado, a dose será ajustada.

Flancox

Quando o tratamento começar a dar resultado (o que acontece em média de duas semanas), a posologia será ajustada para o paciente de acordo com sua tolerância e também da maneira que ele respondeu ao tratamento. No caso de baixa tolerância, uma dose de 600 mg por dia geralmente é suficiente, enquanto nos pacientes com boa tolerância, a dose pode ser de até 1.000 mg por dia. Em casos raros há a administração de 1.200 mg diários em tratamentos prolongados.

Dose máxima:

Em qualquer caso, a dose máxima para adultos com menos de 60 quilos é de 20 mg por quilo de peso corporal por dia. Em adultos com mais 60 quilos ou mais, a dose pode ser de até 1.200 por dia. Idosos também seguem o mesmo esquema de dosagem.

Contraindicações

Flancox que é um medicamento que possui algumas contraindicações. Ele é altamente contraindicado para pacientes que possuam hipersensibilidade ao etodolaco.  Além disso, este medicamento não deve ser administrado por pacientes que possuam pólipos nasais relacionados a asma, broncoespasmos, urticária, angioedema ou então qualquer outra reação alérgica associada ao uso de ácido acetilsalicílico ou outro AINE.

Flancox também não deve ser usado por pacientes que sofram de úlcera gastroduodenal em estado de evolução e por pacientes com insuficiência renal ou hepática severas. Crianças com menos de 15 anos também não devem tomar Flancox.

Este medicamento não pode ser utilizado por grávidas sem autorização e orientação do médico responsável. Na tabela de risco de gravidez, etodolaco está classificado na categoria C.

Efeitos colaterais do Flancox

Assim como todo anti-inflamatório não esteroidal, Flancox possui uma série de algumas reações adversas.

Entre as mais comuns (que acontecem entre 1% e 10% dos pacientes), estão: calafrios, tontura, febre, nervosismo, depressão, manchas na pele, dor abdominal e desconforto, coceira, diarreia, náusea, flatulência, vômitos, perda de sangue nas fezes, constipação, gastrite, fraqueza, dor ao urinar, embaçamento visual, aumento do volume de urina e tinido.

Além disso, há diversas reações adversas incomuns (que ocorrer entre 0,1% e 1% dos pacientes): ausência de glóbulos brancos, anemia, inchaço nos lábios, perda do apetite, asma, arritmias, alucinações, queda de cabelo, reações alérgicas graves, aumento do tempo de sangramento (problema na coagulação), insuficiência cardíaca, meningite, confusão mental, cistite, conjuntivite, duodenite, manchas roxas na pele, falta de ar, inchaço, esofagite, manchas ou bolhas na pele, diminuição da audição, vômito com sangue, dor de cabeça, perda de sangue na urina, hepatite, falência hepática, aumento da glicemia (mesmo em pacientes diabéticos bem controlados), pressão alta, hiperpigmentação.

Também podem ocorrer infecções, nefrite, insônia, hemorragia uterina, redução do número de glóbulos brancos, pele amarelada, infarto do miocárcio, redução do número de glóbulos vermelhos e plaquetas, palpitação, pancreatite, acometimento dos nervos das pernas, formigamentos, fobia a luz, infiltrado nos pulmões, reações na pele induzidas pela luz solar, sangramento retal, insuficiência renal, cálculo renal, choque, feridas na boca, desmaio, urticária, distúrbios visuais, necrose renal e úlcera gastrointestinal.

Caso os sintomas persistam ou se aparecer algum dos sintomas mais graves entre os citados, informa seu médico imediatamente. Além disso, caso venha a aparecer outros sintomas, vá ao pronto-socorro mais próximo.

Precauções

Devido a possibilidade de haver graves manifestações gastrointestinais, é importante administrar Flancox com cuidado e sempre observar o aparecimento de sintomas no trato digestivo. O tratamento deverá ser interrompido imediatamente se houver hemorragias, perfurações gastrointestinais ou ulcerações. Outra situação que exige a interrupção da administração de Flancox são as reações de hipersensibilidade.

Durante todo o tratamento, é preciso verificar sempre o volume da diurese e da função renal. Isso especialmente nos casos dos pacientes com insuficiência cardíaca e nos que fazem tratamento com diuréticos. Controle do hemograma e das funções hepática e renal é essencial.

É desaconselhável ingerir os seguintes produtos em conjunto com Flancox: paracetamol e ácido acetilsalicílico/salicilatos/AINE (diflunisal, floctafenina, fenoprofeno, flurbinofreno, indometacina, ibuprofeno, cetoprofeno, meclofenamato, cetorolaco, ácido mefenâmico, fenilbutazona, naproxeno, piroxicam, ácido tiaprofênico, sulindaco e tolmetina).

No caso de uso pediátrico, não foi estabelecida a segurança e nem mesmo a eficácia de Flancox. No lado oposto, em caso de idosos, não é preciso reduzir a dosagem, sendo que eles fazem o uso da mesma posologia dos adultos.

É aconselhável evitar a ingestão de bebidas alcoólicas durante o uso de Flancox, pois podem ocasionar diversos problemas estomacais.

Interação do Flancox com outros medicamentos

Há algumas interações de Flancox com outros medicamentos que não são recomendadas. Elas são:

  •  Anticoagulantes orais como parenteral, ticlopidina e clopidogrel: há aumento de risco hemorrágico porque há a inibição da função plaquetária, além de agredir a mucosa gastroduodenal.
  • Medicamentos da classe AINEs e salicilatos: aumenta o risco ulcerogênico e hemorrágico digestivo.
  • Clorpropamida e sulfamidas: aumenta o efeito hipoglicemiante.
  • Lítio: diminui a excreção renal do lítio, podendo causar intoxicação.
  • DIU: diminuição dos efeitos do dispositivos intra-uterinos.
  • Metotrexato: aumenta a toxicidade hematológica.
  • Digoxina: aumento da toxicidade da digoxina.
  • Fenitoína: risco de potencialização dos efeitos.

Além disso, há algumas associações medicamentosas que precisam de maiores. São elas:

  • Anti-hipertensivos: reduz o efeito anti-hipertensivo.
  • Diuréticos: há o risco de insuficiência renal aguda.
  • Interferon-alfa: aumento do risco de inibir sua ação.
  • Probenecida: aumento da concentração plasmática dos AINEs, além de crescer o risco de toxicidade.
  • Ciclosporina: aumento dos níveis da ciclosporina.
  • Fluoxetina: aumento dos níveis circulantes do etodolaco.

Composição do Flancox

Flancox podem ser encontrados em dois comprimidos. O primeiro possui 300 mg de etodolaco e seus excipientes, que são lactose, povidona, croscarmelose sódica, estearato de magnésio, dióxido de silício coloidal, hidroxipropimetilcelulose, polietilenoglicol, corante amarelo laca 10 e dióxido de titânio.

Já o outro comprimido possui 400 mg de etodolaco e os seguintes excipientes: croscarmelose sódica, lactose, povidona, hidroxipropimetilcelulose, estearato de magnésio, dióxido de silício coloidal, dióxido de titânio, polietilenoglicol e corante amarelo laca 10.

Superdosagem do Flancox

Quando há superdosagem de Flancox, há o risco de acontecer: letargia, áuseas, sonolência, dores epigástricas e vômitos. Todos esses são sintomas reversíveis com o tratamento de suporte. Em casos mais raros, pode acontecer: sangramento gastrointestinal, insuficiência renal aguda, hipertensão e depressão respiratória. Podem ser observados também nefrite e síndrome nefrótica, reações cutâneas graves, trombocitopenia ou então outras reações de hipersensibilidade. Em todos os casos, não nenhum antídoto específico para tratar a superdosagem de Flancox.

No caso, é sempre bom monitorar as funções vitais. Pode se fazer necessário o esvaziamento gástrico induzindo a emese, além e uma possível lavagem intestinal, sendo que isso apenas em pacientes que sofreram a superdosagem num período máximo de até 4 horas. Uma possível solução médica é a administração de carvão vegetal ativado (associado com um laxante osmótico), onde a dosagem varia de 60 mg a 100 g em adultos ou de 1 g a 2 g por quilo em crianças.

Quando há superdosagem, o tratamento precisa ser sintomático e de suporte. As únicas hipóteses possíveis para diminuir as possíveis reações adversas são a própria lavagem gástrica imediata ou indução à emese (quando houver tempo) e controle da respiração via injeção endovenosa de fisotigmina.

É importante comparecer a um hospital ou pronto-socorro imediatamente no caso de superdosagem, acidental ou não.

Armazenamento

É necessário manter o medicamento Flancox armazenado em temperatura ambiente, que varia entre 15 e 30ºC, protegido da luz e de qualquer umidade. Seu prazo de validade é de até 24 meses após sua fabricação. A data de fabricação, assim como a de validade e o número do lote estão na embalagem de Flancox.

Sob nenhuma hipótese utilize Flancox se o medicamento estiver vencido e mantenha sempre os comprimidos em sua embalagem original. Tanto os comprimidos de 300 mg quanto os de 400 mg são em formato de oblongo bastão, biconvexos, amarelos e lisos.

Flancox preço

preço do flancox nas farmácias

Flancox é um medicamento de uso oral para adultos e adolescentes acima dos 15 anos. O laboratório de fabricação é o Ãpsen.

Os comprimidos de 300 mg são comercializados em caixas que contêm 14 ou 30 comprimidos revestidos, enquanto os de 400 mg são encontrados em caixas com 6, 10 ou 20 comprimidos revestidos.

O preço médio de Flancox varia entre R$ 15 e R$ 20, dependendo a farmácia e da quantidade de comprimidos na caixa. Para comprar, é necessária a apresentação de receita branca comum.

Genérico de Flancox

Infelizmente, não há nenhum laboratório que produz e comercializa genéricos de Flancox, apenas similares. Lembrando que similares e genéricos são diferentes. Jamais faça uso de similares sem autorização médica, já que os efeitos podem ser totalmente diferentes e possui diversas reações adversas inesperadas.

Pergunta dos leitores

Flancox faz mal para o estomago?

Flancox é um medicamento que possui diversos efeitos colaterais, sendo que muitos são a aparição de problemas no trato digestivo. Pacientes com problemas estomacais ou que possuam pré-disposição para esses problemas podem sofrer mais com essas reações adversas.

Em outras palavras, sim, faz mal. Caso venha a sofrem com os efeitos colaterais estomacais graves, é indicado interromper o medicamento imediatamente.

Flancox serve para dor nas costas?

Este medicamento serve para tratar problemas relacionados à dor e inflamação. Caso o paciente esteja sofrendo com dores (especialmente as relacionadas com inflamação) nas costas, Flancox irá ajudar a diminuir a dor local.

Flancox causa dependência?

Um dos motivos que este medicamento é vendido apenas com receita médica, além de seus possíveis graves efeitos colaterais, é que ele pode sim causar dependência.