Hidantal Injetável e Comprimido – Para que serve? Como Funciona? Efeitos Colaterais e Precauções

Hidantal é um medicamento que é utilizado para prevenir e tratar imediatamente as crises convulsivas que ocorrem nas pessoas portadores de doenças epilépticas.

Alguns sintomas são tão fortes que podem levar a problemas graves, como sequelas irreversíveis ou então a morte. Convulsões e ataque de epilepsia são dois desses sintomas gravíssimos que, se não controlados a tempo ou então se não prevenidos, podem ser fatais.

Para que serve o Hidantal

Hidental é altamente destinado e indicado ao tratamento das seguintes situações:

1) Crises convulsivas, que é quando há súbitas contrações e sem controle dos músculos devido a modificações dentro do cérebro, sendo que isso pode acontecer durante ou depois de uma neurocirurgia;


2) crises convulsivas/crises tônico-clônicas generalizadas, que são convulsões motoras que podem se repetir com frequência;

3) crises parciais complexas, que é quando a vítima se paralisa e depois há movimentos de mastigação fora do controle (devido a alterações no lobo psicomotor e temporal);

4) E estado de mal epiléptico, que é quando acontecem ataques epilépticos repetidos e prolongados.

Como funciona o Hidantal

Hidental remédio para convulsão

A fenitoína, princípio ativo do Hidantal, é uma substância que tem como uma de suas funções tratar e prevenir a epilepsia. A epilepsia, por sua vez, se caracteriza pelo transtorno característico de episódios recorrentes de alterações na função do cérebro e isso acontece por causa de uma súbita descarga dos neurônios, altamente desordenada e potente.

O local principal onde Hidantal (e seu princípio ativo fenitoína) age é na região cerebral onde há essas descargas súbitas de neurônios, o que ajuda a inibir o acontecimento das crises. Após a ingestão oral do medicamento como tratamento contínuo, a fenitoína só atinge os níveis terapêuticos necessários para possuir poder de inibição entre 7 e 10 dias.

Como usar o Hidantal

O Hidantal é encontrado de duas maneiras diferentes, cada uma pra uma possível situação. Essas maneiras são em comprimido e injetável.

Hidantal comprimido

bula do hidantal

Os comprimidos de Hidantal devem ser ingeridos sempre via oral e acompanhados de líquido, sendo de preferência água. As doses devem ser tomadas, de preferência, durante ou depois das refeições. E importante respeitar os horários. Seguindo a posologia correta por uma semana, os efeitos poderão ser percebidos e as crises evitadas.

Os comprimidos são usados como forma de prevenção das crises. No caso de crises convulsivas após ou durante a neurocirurgia, a dose recomendada é de 3 a 4 comprimidos de 100 mg ao dia, sendo que a dose máxima diária não deve ser superior a 600 mg.

Para tratar crises convulsivas, crise parcial complexa e crises tônico clônicas generalizadas, o ideal também são de 3 a 4 comprimidos de 100 mg por dia, sendo que a dose máxima deve ser de 600 mg por dia.

No caso de estado de mal epiléptico, a dose de ataque deve ser de 10-15 mg por quilo, sendo que não pode ser ingerido mais que 50 mg por minuto. Após isso, a dose de manutenção é de 100 mg via oral (pode ser via injetável também) a cada 6 ou 8 horas.

Adolescentes e Crianças:

A posologia para adolescentes e crianças com mais de 6 anos com crises convulsivas após ou durante a neurocirurgia, crises convulsivas, crise parcial complexa ou crises tônico-clônicas generalizadas é a seguinte: 5 mg por quilo corporal por dia, sendo que a dose total deve ser dividida igualmente entre duas ou três tomadas (a dose usual é de 4-8 mg/kg/dia). A dosagem máxima é de 300 mg por dia.

Idosos:

No caso de pacientes idosos, a dose inicial é de 3 mg/kg/dia em divididas doses iguais. Essa medicação é usada em menores doses por pessoas com mais idade.

Hidantal injetável

Para que o medicamento faça efeito, o teor sanguíneo precisa estar no mínimo entre 10 e 15 microgramas por mililitro. Por isso geralmente, por vezes, requer ajuste individual. No caso de pacientes com menos de 30 quilos (crianças), as doses diárias podem variar entre 10 e 15 mg por quilo. Em pacientes com mais de 30 quilos, podem se fazer necessárias doses menores que 5 a 10 mg por quilo.

Com essa dosagem, as crises agudas podem ser controladas. O medicamento precisa ser administrado de preferência via injeção intravenosa.

Em geral, as doses de Hidantal injetável são:

Adultos:

Em adultos, a injeção pode ser via intramuscular, mas com preferência a via intravenosa. De meia a duas ampolas no prazo de uma hora. Nunca exceda 250 mg num período de 15 minutos, nem mesmo mais de 1 h em 24 horas. As aplicações intravenosas precisam ser feitas com uma pausa de pelo menos 15 minutos e a administração precisa acontecer lentamente.

Crianças:

No caso de crianças, quando se fazer necessária a forma injetável, a dose precisa ser calculada com base de 2,0 a 2,5 mg/kg de peso, de maneira repetida e nunca antes de 15 minutos. Não exceda o teor de 15 mg/kg de peso em 24 horas.

Composição do Hidantal

A composição de Hidantal em comprimidos é: cada um dos comprimidos possui 100 mg de fenitoína e seus excipientes: estearato de magnésio, amido de milho, lactose monoidratada, povidona K30 e talco.

No caso de Hidantal injetável, cada mL contém 50 mg de fenitoína sódica e seus excipientes: álcool etílico desidratado para injetáveis, hidróxido de sódio, propilenoglicol e água para injetáveis.

Contraindicação do Hidantal

Apesar de ser um medicamento forte, Hidantal possui poucas contraindicações. Ele é contraindicado principalmente às pessoas que possuam reações intensas a qualquer componente da fórmula do medicamento ou então a outras hidantoínas. Além disso, pacientes que sejam portadores da síndrome de Adam-Stokes, pacientes com bloquei sinoatrial, pessoas com bloquei A-V de 2º e 3º graus e os que possuem bradicardia sinusal não devem fazer uso deste medicamento.

Precauções

Nenhum medicamento que trate de epilepsia não pode ser interrompido de maneira abrupta, pois pode aumentar a frequência de crises, incluindo status epilepticus (que é quando o paciente passa a ter crises convulsivas constantes). Quando for necessário interromper a medicação, será de maneira gradual. Em caso de reações alérgicas, o médico irá indicar um medicamento que não cause alergia, evitando outros possíveis problemas.

Informe o médico se você tiver sofrido pressão baixa, infarto do miocárdio ou insuficiência cardíaca. Também o informe se você apresentar efeitos tóxicos no fígado com o uso de Hidantal ou então insuficiência hepática aguda. Isso porque o fígado é o principal órgão de transformação da fenitoína, então as reações podem ser fatais.

Além disso, reações na pele com risco para a vida têm sido percebidas ao administrar Hidantal. Nesse caso, o medicamento será interrompido como se fosse uma situação alérgica.

Efeitos colaterais do Hidantal

hidantal

Foram observadas diversas reações adversas ao uso de Hidantal em diferentes sistemas do corpo humano. No sistema nervoso central, foi observado: nistagmo, dificuldade na fala, ataxia, redução na coordenação, vertigem (tontura), confusão mental, insônia, nervosismo transitório, cefaleia e contração da musculatura. Em casos raros: discinesia induzida por fenitoína, distonia), tremor e asterixe.

Além disso, polineuropatia periférica foi observada em pacientes recebendo longos tratamento de fenitoína. Comprometimento da memória, distúrbios de atenção, amnésia e afasia também foram percebidos.

No sistema gastrintestinal, há casos de náusea, constipação, vômitos, hepatite tóxica e dano hepático. Já no sistema tegumentar (tecido subcutâneo e pele), foram observados: manifestações dermatológicas acompanhadas de febre, como rash morbiliforme e escarlatiniforme. Outras situações mais graves: dermatite bolhosa, esfoliativa, purpúrica, esfoliativa, lúpus eritematoso, necrólise epidérmica tóxica e Síndrome de Stevens-Jonhson.

Já no sistema hemopoiético, foram vistas: complicações hemopoiéticas, como trombocitopenia, leucopenia granulocitopenia, pancitopenia e agranulocitose. Alguns casos de linfadenopatia (hiperplasia de nódulo linfático benigno), linfoma, pseudolinfoma e doença de Hodgkin foram relacionados à medicação.

O sistema do tecido conjuntivo e musculoesquelético pode sofrer com: acentuação das características faciais, hiperplasia gengival, aumento dos lábios, hipertricose e doença de Peyronie. Além disso, osteopenia, osteoporose, diminuição da densidade mineral óssea e fratuas foram relacionados ao tratamento de longo prazo com Hidantal.

O sistema cardiovascular pode apresentar parada cardíaca e periarterite nodosa e o sistema imunológico pode sofrer com síndrome de hipersensibilidade, lúpus eritematoso sistêmico e anormalidades de imunoglobulinas.

Superdosagem do Hidantal

Enquanto a dose letal em crianças ainda é desconhecida, em adultos é estimada entre 2 a 5 g. Os primeiros sintomas são: ataxia, disartria, nistagmo, tremor, letargia, hiperreflexia, fala arrastada, vômitos e náuseas. A falência vem a acontecer por causa da depressão circulatória e respiratória.

Caso quaisquer sintomas desses apareça, seja por superdosagem ou não, o médico deve ser infromado. Não há um tratamento específico para a superdosagem. No caso de pacientes pediátricos que sofrem de superdosagem, transfusões sanguíneas totais têm sido utilizadas. Em adultos, o combate dos sintomas será feito pelo médico responsável.

Interação do Hidantal com outros remédios

As possíveis interações com medicamentos e substâncias são:

  • Ácido valpróico: reduz a concentração plasmática total de fenitoína e aumenta a a fenitoína, caracterizando superdose.
  • Azapropazona:  aumenta o risco de toxicidade.
  • Barbituratos: sinais de intoxicação.
  • Beclamida:  leucopenia reversível.
  • Ciprofloxacino: diminuição dos níveis de fenitoína no sangue.
  • Cloranfenicol: sinais de intoxicação.
  • Corticosteroides: aumenta eliminação do corticosteroide, reduzindo sua eficácia.
  • Delavirdina: redução da quantidade no sangue da delavirdina.
  • Diltiazem: aumenta a concentração de fenitoína no sangue.
  • Dissulfiram: inibe o metabolismo hepático da fenitoína.
  • Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4: diminui a eficácia destes medicamentos.
  • Fenilbutazona: aumenta o risco de toxicidade
  • Fluoracila ou/e prodrogas: aumenta a concentração plasmática da fenitoína.
  • Folatos: reduz a eficácia da fenitoína.
  • Hidróxido de alumínio: diminuição da concentração sérica da fenitoína.
  • Imatinibe: reduz concentrações plasmáticas do imatinibe.
  • Irinotecano: reduz a exposição ao irinotecano e ao seu metabólito ativo.
  • Isoniazida: sinais de toxicidade da fenitoína.
  • Lidocaína: depressão cardíaca aditiva.
  • Lopinavir: redução da concentração plasmática do lopinavir.
  • Metotrexato: reduz a eficácia da fenitoína.
  • Posaconazol: aumento da concentração de fenitoína E redução da concentração de posaconazol.
  • Quetiapina: reduz a eficácia da quetiapina.
  • Salicilatos: aumento da concentração da fenitoína livre no plasma.
  • Sulfonamidas: aumento do risco de toxicidade da fenitoína.
  • Tacrolimo: redução das concentrações plasmáticas do tacrolimo.
  • Voriconazol: reduz o metabolismo da fenitoína.
  • Erva de São João: reduz a eficácia da fenitoína.
  • Etanol: aumento das concentrações plasmáticas de fenitoína

Hidantal Preço

As apresentações de Hidental são: em solução Injetável, caixas com 3 ou 50 ampolas de 5 ml. Os comprimidos, de uso oral, vêm em embalagens com 25 unidades. O laboratório de fabricação é o Sanofi.

Enquanto os comprimidos podem ser encontrados por um faixa de preço de R$ 10, a solução injetável com 50 ampolas custa cerca de R$ 230 a R$ 245. Em todos os casos, é necessária a apresentação da receita branca de controle especial.

Hidantal Genérico

O genérico de Hidantal, encontrados pelos nomes de Fenitoina e Fenitoina Sólida, podem ser encontrados em diversas farmácias. As marcas mais comuns são Teuto e União Química. Os preços dos genéricos, em geral, são a metade do Hidantal, tanto em sua forma injetável como em comprimido.

Pergunta dos leitores

Hidantal da sono?

A sonolência é um dos principais sintomas de Hidantal, especialmente nos primeiros meses de tratamento. Então, sim, o Hidantal dá sono.

Hidantal está em falta?

Em 2016, a produção de Hidantal foi suspensa pela Anvisa por “irregularidade detectadas em inspeção”, mas não deram maiores detalhes. Por enquanto, a situação melhorou um pouco, mas o medicamento continua em falta em alguns lugares enquanto os órgãos competentes tentam resolver esse problema.